Jantar de Praceteiros

CIMG0120 (2)Teve lugar no passado dia três de agosto um jantar de confraternização com a presença de doze Praceteiros e afins, da década de sessenta!

A abrir o evento, surge a futura presidente da Junta de freguesia de S. Domingos de Rana, Sra. Maria Fernanda Gonçalves, em plena campanha para as autárquicas de Setembro. Aproveita para dar as boas vindas!

-Na Suécia onde resido desde 1973, costuma-se dizer, à laia de brincadeira que quando três suecos se juntam, escolhe-se logo um presidente, um secretário e um tesoureiro. Ficou por fazer! Declara João Pinheiro ( Staffordiano), iniciador deste evento.

O jantar efectuou-se no restaurante Melita em Rana e foi excelentemente organizado por Ana Barreto ( Pauluxa).

Os convivas trataram de diversas questöes,do foro das memórias do tempo de adolescencia, que passaram juntos na Praceta do Junqueiro, em Carcavelos. Além dos já referidos tomaram parte: José Manuel do Carmo e esposa Consuelo, que fizeram questão de vir expressamente do Algarve, Marina do Carmo, Pedro Lacerda e Cristina Santos, Betty Casqueiro, de Washington D.C., as irmãs Maria de Lourdes e Teresa Matos além de João Gouveia (Johhny) e do Pedro Pinheiro.

Segundo pudemos apurar, ficou decidido, que o próximo evento anual, será a 4 de agosto de 2014.

– A ideia até lá é fazermos outros eventos, para juntarmos mais pessoas, para o próximo ano- diz-nos João Gouveia!

O espirito da Praceta ficou bem demonstrado, neste evento, em que tambem sobresaíu a  boa comida e alguma sangria, que ajudaram à excelente boa disposição em que todos se encontravam, lá pela meia noite, quando os proprietários do restaurante simpáticamente convidaram os barulhentos Praceteiros a ir para casa!

O espirito da Praceta

CIMG0141

Deu para recordar e reviver, deu sim senhor! Juntaram-se algumas personalidades da história da Praceta num café logo ali ao lado do Hotel S. Julião! As maninhas Teresa e Maria de Lourdes Matos. A Paulucha que deveria ser eleita presidente ou se fosse caso de monarquia  imperatriz da Praceta de Carcavelos.

Apareceu o João Paulo que se lembrava que os americanos do prédio ao lado eram tão altos, que para não descer as escadas, desciam à rua pelas varandas! Foram momentos bem passados. De muito se falou mas faltou de muito ainda falar. A grande força dos memórias é que sendo individuais, não nos recordamos todos das mesmas coisas.Um pormenor de que certamente tanto eu como o João Paulo nos recordamos era a assobiadela que se utilizava para convidar a saír de casa e ir brincar, jogar á bola, ir prá praia, etc. Não se utilizavam as campaínhas, a não ser para chatear as pessoas! Fii,fii,fii…fii,fii,fuu!

Depois houve uma altura que está relacionada com a casa dos Henriques que tem que ver com o espiritismo. Acho que andávamos curiosos em experimentar. Era só preciso arranjar a tal mesa com pé de galo. Lembro-me de ver lá umas revistas com artigos impressionantes sobre o ectoplasma e a qualidade de algumas médiuns ativas no Brasil!

Fizemos o passeio para o nosso encontro, recordando o caminho que fazia todos os dias escolares de segunda a sábado para apanhar o comboio até à próxima paragem de Oeiras e das aulas no liceu que me esperavam! A viela que escolhia era invariávelmente a da foto pois ia diretamente da Praceta à longa avenida que dava para a estação. Viva a Praceta!