Marcello visita Londres

caetano

O português ajusta-se bem ao mundo. É flexível e integra-se. Por isso temos portugueses espalhados pelos cantos do mundo. Além do mais gosta do seu país. Vibra com a sua seleção de futebol e com outros feitos desportivos. Orgulha-se da beleza do país e da sua cultura.

Na escola aprendi tudo sobre o heroísmo dos portugueses, país mais antigo da Europa, quase um mundo aparte. Heróis do mar, nobre Povo, aprendi a cantar ao lado do órgão do maestro Cruz no Colégio Valsassina.

Mas nem tudo estava bem. O meu contacto com a imigração dá-se em Londres quando durante alguns meses trabalho para o Banco Português do Atlântico, cujo escritório nas instalações do Banco do Brasil apenas tinha a função de encaminhar as poupanças dos imigrantes para as suas contas em Portugal para onde quase todos ansiavam retornar.

Em 1973, Portugal já levava um período de ditadura de 47 anos. Era o regime autoritário mais antigo da Europa. Era um país que já não nos podia orgulhar mas antes envergonhava. Com os índices de analfabetismo a rondar os 50%, uma pobreza gritante que obrigava centenas de milhares a procurar outros sítios para ganhar a vida, as prisões recheadas de presos políticos e uma guerra absurda para manter um Império Colonial. Éramos o país do pé descalço governado por sujeitos autocratas que queriam manter o país na ignorância e na pobreza porque um certo António Oliveira Salazar achava que a felicidade do povo era viver no campo e ir à missa. Ainda há pessoas que dizem que querem voltar a esses tempos. Não sei em que estarão a pensar…

É nesse ano em 15 de julho que Marcello Caetano faz uma visita oficial à Inglaterra com o intuito de celebrar os 600 anos de aliança Luso- Britânica. É uma visita acompanhada de manifestações e protestos. Não fui lá, nem sabia que tais manifestações se estavam a organizar, mas filmes dessa ocasião mostram Mário Soares entre os manifestantes.

É neste contexto nacional que volto a emigrar no ano de 1973 para a Suécia que tinha sido um país mais pobre que Portugal mas que tinha evoluído para uma das sociedades mais bem organizadas onde os seus cidadãos usufruíam de direitos sociais ímpares no mundo.

caetano1

Homenagem aos professores

 oeiras

O primeiro ciclo do liceu foi práticamente feito no Colégio Valsassina. Já falei de alguns professores dos quais sobressaiem o prof de Canto Coral muito querido velhote de cabelo comprido e bengala que se sentava num pequeno orgão para nos acompanhar nos hinos da escola e no Nacional. Era o maestro Cruz Brás.

 Já recordei tambem o Arq. Bairrada no desenho e trabalhos manuais que gostava de usar palmatória para punir os alunos, segundo ele, mal comportados. Fiquei com a mão a arder algumas vezes, já nem sei porque! Depois havia a professora de frances baixinha que dava com o ponteiro na cabeça e o Nuno Crato que fumava nas aulas. Recordo-me tambem do professor de ginástica, o prof Barros que me chamava pinheirinho da silva! Enfim a minha ideia é que a escola era boa, mas para os alunos terem boa prestação era necessário estarem concentrados no trabalho escolar e este estar adaptado ao nivel de desenvolvimento intelectual dos alunos. O nosso sistema era um de empinar e como se diz na nossa giria bom para marrões. É claro que esses sistema não diz nada sobre as aptidões dos individuos quando entrarem para a vida profissional.

 Andava tudo à volta das notas. O sistema era de 0 a 20, mas para ajudar a perceber melhor os professores podiam designar os resultados por palavras, começando com Muito Bom e seguindo para Bom, Suficiente, Medíocre e Mau.

 A entrada no segundo ciclo que era do terceiro ao quinto ano do liceu coincidiu com a mudança que fiz para a Praceta em Carcavelos e o liceu escolhido foi o de Oeiras.

Foi um tempo escolar mais feliz. Eram mais professores, não eram permitidas punições fisicas e embora as classes fossem grandes os professores eram bons e tinham reputação. Alem disso tinham alcunhas como não podia deixar de ser… Os alunos sabiam porque linhas se escrevia. Quem fosse expulso da classe ou tivesse muitas faltas podia ser  expulso do próprio ensino.

 Para os professores se lembravam dos alunos tinham umas cadernetas verdes onde colavam uma foto dos aluno que alêm do nome tinha o seu número da turma. Era educação industrial sem espaço para grandes aprofundamentos pessoais. Recordo-me no entanto duma professora de Português que convidou um numero de alunos  a sua casa e que nos deu umas explicações gratuitas para nos ajudar a passar os exames.  Bem haja!

 O professor que mais dava nas vistas era o professor de Ciencias naturais conhecido (entre nós) como Pato Marreco. Esse professor jogava ao ataque e muitos alunos sentiram na pele o seu humor irónico. Gozava e fazia rir mas penso que ninguem ficou deprimido por causa do Pato Marreco.

Quem às vezes pagava as favas de tanto bom comportamento na classe, era o pobre continuo, com quem alguns gozavam pois não dava notas. Era o Monas!

A minha escola tão linda seduz (1961-1965)

azinhaga Valsassina

Viviamos na Rua de Campolide quando saí do Charles Lepierre para comecar no Colégio Valsassina!

Ao pé da nossa casa como não podia deixar de ser havia um café e duas memórias que retenho desse tempo foi ir aparecendo a RTP e ter aparecido o Totobola!

Terei sido inscrito no Valsassina como aluno externo. O meu irmão Pedro terá tambem aí começado a sua vida escolar e para chegarmos ao Colégio que ficava muito longe ( ao pé do aeroporto) passava um autocarro do Colégio a buscar-nos. Fazia a volta à cidade e apanhava meninos em tudo o que é sitio. Quando chegávamos à íngreme Azinhaga das Teresinhas sabíamos que estávamos a chegar.

 Como alunos externos teríamos que levar comida de casa numas marmitas que eram entregues à chegada e aquecidas pelo pessoal do refeitório. No refeitório comia-se o que se trazia mas havia um menino que sempre trazia um prato de esparguete fino que muita inveja e curiosidade culinária me fazia.

 Dos professores lembro-me duma senhora alta e loira e dum senhor alto e careca! A senhora tentou, sem sucesso, ensinar-me a pegar na caneta. Faziamos intermináveis exercicios de caligrafia!  O senhor alto e careca levantava os meninos pelas orelhas. Não escapei a esse tratamento mas até hoje só me lembro que foi muito desagradável, mas não do motivo que o teria provocado.

As lições favoritas eram as de canto coral. Cantávamos ao lado do órgão do maestro Cruz Brás e assim aprendemos o Hino da Escola e o Hino Nacional.

A minha escola tão linda seduz….

totobola1oboletim