O senhor da Praceta

12003195_130431393973761_8647548440795597679_n

Fui percebendo aos poucos que o João Paulo Henriques era o senhor da Praceta. Nasceu lá, cresceu lá e lá morreu. Vamos ter saudades dele, já as temos…Os meus velhos amigos da Praceta sabem que os deixei muito cedo e só nos ultimos anos recuperei os cantactos e fiquei a saber que já tinhamos perdido alguns como o Luis Lacerda e o Mário Simões. Se alguma coisa aprendi foi que os nossos amigos de infancia não são iguais a nenhuns outros. Tratamo-nos por tu e não nos deixamos influenciar por politica ou religião. Quando nos encontramos agora é para sermos um pouco do que éramos. Irresponsáveis, brincalhões e principamente para nos recordarmos dos tempos da juventude quando tinhamos toda a nossa vida pela frente.

O João Paulo era companheiro do meu irmão Pedro. Andavam juntos na escola os dois mas não era para aí que estavam virados. Preocupávamos-nos certamente com eles lá em casa. Se andavam bem, se não faziam asneiras… Como irmão mais velho do Pedro devo ter tido as mesmas preocupações que a Paulucha tinha com o João Paulo. Quando eram mais pequenos jogavam muito ao berlinde mesmo em frente da nossa casa. Gostavam da praia, da pesca. Reencontrei o João Paulo a trabalhar num bar e penso que tambem trabalhava num banco. Nessa altura nem me apercebi que ainda vivia na Praceta.

Não sou a melhor pessoa para fazer um apanhado da vida do João Paulo. Alguns de voces leitores, poderão dar a vossa contribuição e ajudar-nos a recordar quem fez parte das vossas vidas. Afinal foram mais de 60 anos de convivencia. Aqui não há que sair longe da Praceta, de Carcavelos, da bela linha do Estoril. Foi aí que o João Paulo viveu e onde continuará a fazer parte da nossa memória.

419916_347111485333603_1359543480_n

Praceta revisitada

mission1

Foi concerteza em agosto de 1974 depois de quase 6 anos de saudade que voltei a Portugal. Já tinha um filho de 9 meses, o John, e como não podia deixar de ser queria que conhecessem a Praceta de Carcavelos. Tinha sido a partir de lá que tinha iniciado a minha vida de emigrante no dia 11 de setembro de 1968.

Chegámos de carro e dirigimo-nos ao Café Atlantico. Não foi nenhuma chegada apotetótica. Muito simplesmente começaram a juntar-se uma série de jovens que não eram da minha “geração. Puxámos da camera de super 8 e ficou para a posteridade esta curtissima metragem de 10 segundos. Reconhecem-se no grupo o João Paulo Henriques, ainda hoje residente na Praceta e o António Pedro Veloso cujo contacto reatei agora através do facebook. O que está ao meu lado… poderá ser o Zé Borsatti?

A vossa missão( se decidirem aceitar) é de nomearam o maior número de participantes dessa  tarde na Praceta há quase 40 anos! Quem ajuda? Será mesmo uma Missão Impossivel que era aquela série que passava na nossa televisão lá por 1967/68?

http://www.youtube.com/watch?v=yCmIrEGwYp4

O espirito da Praceta

CIMG0141

Deu para recordar e reviver, deu sim senhor! Juntaram-se algumas personalidades da história da Praceta num café logo ali ao lado do Hotel S. Julião! As maninhas Teresa e Maria de Lourdes Matos. A Paulucha que deveria ser eleita presidente ou se fosse caso de monarquia  imperatriz da Praceta de Carcavelos.

Apareceu o João Paulo que se lembrava que os americanos do prédio ao lado eram tão altos, que para não descer as escadas, desciam à rua pelas varandas! Foram momentos bem passados. De muito se falou mas faltou de muito ainda falar. A grande força dos memórias é que sendo individuais, não nos recordamos todos das mesmas coisas.Um pormenor de que certamente tanto eu como o João Paulo nos recordamos era a assobiadela que se utilizava para convidar a saír de casa e ir brincar, jogar á bola, ir prá praia, etc. Não se utilizavam as campaínhas, a não ser para chatear as pessoas! Fii,fii,fii…fii,fii,fuu!

Depois houve uma altura que está relacionada com a casa dos Henriques que tem que ver com o espiritismo. Acho que andávamos curiosos em experimentar. Era só preciso arranjar a tal mesa com pé de galo. Lembro-me de ver lá umas revistas com artigos impressionantes sobre o ectoplasma e a qualidade de algumas médiuns ativas no Brasil!

Fizemos o passeio para o nosso encontro, recordando o caminho que fazia todos os dias escolares de segunda a sábado para apanhar o comboio até à próxima paragem de Oeiras e das aulas no liceu que me esperavam! A viela que escolhia era invariávelmente a da foto pois ia diretamente da Praceta à longa avenida que dava para a estação. Viva a Praceta!

Quem nos formou?

Dionne

A vida na Praceta ou em qualquer outro lugar não é um mar de rosas para um adolescente!

Eu por exemplo andava às vezes bem infeliz, sempre vestido de preto, com chapéu e tudo, á espera de ser compreendido por alguem. Para quê viver? Nesse taciturno estado de espirito que ás vezes invade a alma do” teenager” há momentos que podem ser cruciais. Uma paixão incompreendida, sei lá…

No verão era tudo mais fácil. Aparecia outra malta. Organizavam-se festas. Será que alguem se lembra duns bailes organizados no terraço de um dos prédios, se não me engano do lado do mar? Era uma oportunidade de agarrar uma miúda e de a apertar um pouquinho ao som da Aretha ou da Dionne. Não sei quem organizava estes bailes mas tenho quase a certeza que haviam crescidos por trás que assim nos ajudavam a dar os primeiros passos para a vida romantica e adulta que se aproximava. Na Praceta nunca tive namorada…

Nessa época penso que havia mais convivio entre gerações. Estou-me a lembrar da acolhedora familia Henriques cuja casa visitei muitas vezes e da simpatia da sra. Paulina e do sr. Américo que me ensinou uns truques de cartas que muitas vezes usei na continuação da minha vida para impressionar novas gerações.Os filhos Henriques são a Paulucha, o João Paulo e a Carla!

Os adultos educavam os jovens e era aceite por todos. Éramos filhos de todos e mesmo quando doía acabava por ter um significado de se aprender quando se fazia algo mal. Uma vez levei uma estalada da mãe do João Raminhos porque tinha estado a gozar( já não sei com quem mais) com uma rapariga que estava atrás do balcão do café Atlantico e que nós concerteza por falta de tacto e piedade tinhamos feito infeliz!  Nunca mais gozei com ela!