Comunicação entre putos de 16 anos

Leslie  Godwin Esta foto não está relacionada com a carta e foi tirada um ano mais tarde

Londres 20/1/1969
Caro Amigo Johnny
Recebi a tua carta que me deliciou. Não recebi os cigarros mas não tem importancia, obrigado de qualquer modo. Não tenho escrito a vocês todos, não porque vos tenha esquecido mas por razões óbvias, falta de tempo, etc.
A minha vida agora está completamente mudada, estou a trabalhar numa das maiores corporações do mundo, cheia de snobs ingleses que passam a vida a chamar “sir” uns aos outros. Um dos meus directores só diz disparates como por exemplo- “And what other interests have you got on this fine bâteau, monsieur?- Good man. Good man”!
Os gajos aqui fartam-se de assinar seguros para os barcos portugueses. É vê-los a dizer os nomes todos em português, é de partir o coco. Todas as Marias e Manéis and all the bacaloeiros,etc.
O meu director no 1 deu-me já as datas para escolher para férias do verão que consistem em duas semanas sem contar com sábados nem domingos.
Espero que a malta da praceta que vem a Londres escreva e diga e principalmente o Zé e tu. Este ano não vos posso receber condignamente porque não tenho um andar nem nada mas para o próximo tude se há de arranjar. Se vocês trouxerem a tenda eu talvez possa ir com vocês até ao norte ou qualquer coisa do género.
Espero que o Zé tenha recebido o disco que lhe mandei pelo natal.E manda-me o dia dos anos dele para lhe fazer outra surpresa.

Escrever é uma merda ( bolas até que enfim que me lembrei duma palavra irregular) só queria que os meus pensamentos se propagassem até aí, pois eu penso muito em vocês. Os bifes são todos malucos. Parecem todos criminosos ou bêbados. O tipo com quem eu trabalho é um pachá, só fala do Concorde e do Queen Elizabeth II ( outro Johnny). Quando vocês vierem a Inglaterra vão me encontrar a falar português catedrático, pois estou-me a esquecer de todas as palavras que a malta costuma usar, pá.
Nunca mais joguei à bola e onde me entretenho agora é no rinque de patinagem no gelo que está cheio de miúdas taradinhas sexuais. Vêm contra mim, e começam a perguntar-me o nome, a morada,etc, etc. Desculpa estar –te a escrever tão mal mas estou muito cansado. Já escrevi duas cartas antes desta.
Espero que o Mário continue a ser “o melhor” e que o Lacerda continue com as suas filosofias, retóricas(gagusdasi*Incompreensivel) e excelente brilhantismo em Ciências Naturais e que todos tenham tido notas porreiras vocês e os putos da praceta, isto é todos os outros. O Sporting está uma merda. Escreve depressa e não te esqueças de dizer quando vens, se vens.
Saudades
Stafford

Jantar de Praceteiros

CIMG0120 (2)Teve lugar no passado dia três de agosto um jantar de confraternização com a presença de doze Praceteiros e afins, da década de sessenta!

A abrir o evento, surge a futura presidente da Junta de freguesia de S. Domingos de Rana, Sra. Maria Fernanda Gonçalves, em plena campanha para as autárquicas de Setembro. Aproveita para dar as boas vindas!

-Na Suécia onde resido desde 1973, costuma-se dizer, à laia de brincadeira que quando três suecos se juntam, escolhe-se logo um presidente, um secretário e um tesoureiro. Ficou por fazer! Declara João Pinheiro ( Staffordiano), iniciador deste evento.

O jantar efectuou-se no restaurante Melita em Rana e foi excelentemente organizado por Ana Barreto ( Pauluxa).

Os convivas trataram de diversas questöes,do foro das memórias do tempo de adolescencia, que passaram juntos na Praceta do Junqueiro, em Carcavelos. Além dos já referidos tomaram parte: José Manuel do Carmo e esposa Consuelo, que fizeram questão de vir expressamente do Algarve, Marina do Carmo, Pedro Lacerda e Cristina Santos, Betty Casqueiro, de Washington D.C., as irmãs Maria de Lourdes e Teresa Matos além de João Gouveia (Johhny) e do Pedro Pinheiro.

Segundo pudemos apurar, ficou decidido, que o próximo evento anual, será a 4 de agosto de 2014.

– A ideia até lá é fazermos outros eventos, para juntarmos mais pessoas, para o próximo ano- diz-nos João Gouveia!

O espirito da Praceta ficou bem demonstrado, neste evento, em que tambem sobresaíu a  boa comida e alguma sangria, que ajudaram à excelente boa disposição em que todos se encontravam, lá pela meia noite, quando os proprietários do restaurante simpáticamente convidaram os barulhentos Praceteiros a ir para casa!