A Bua

Votre beauté

A maior parte das pessoas que tiveram uma avózinha sabem do que estou a falar. A minha era a Bua. Aos meus olhos era uma pessoa excepcional. Nascida no norte e lá criada acabou por vir para Lisboa. Quando a conheci (por motivos óbvios) já depois do meu nascimento em 1952 vivia na Rua Sampaio e Pina logo ali ao pé da Artilharia 1 e com vista para um dos muros do Liceu Maria Amália.

 No apartamento enorme do r/c onde vivia sózinha passava quase o tempo todo no quarto da frente. Num dos quartos interiores havia boiões que eram para ser enchidos por cremes de beleza que fazia. Tambem escrevia no Século- Modas e bordados- sobre  temas que interessavam as senhoras. Sabia francês e era naquelas revistas “Votre Santé” e “Votre Beauté” que se inspirava para tudo o que fazia e que ocupava o seu maior interesse. Admirava imenso a coqueluche do cinema francêss durante aqueles anos -a Brigitte Bardot! A minha avó gostava de animais especialmente dos felinos e de crianças. Penso que não tinha muita paciencia para os adultos!

 Na casa dela havia sempre qualquer coisa que enchia de curiosidade um menino tão pequeno. Um dos pontos altos do dia era a passagem do camião do lixo com toda a atividade relativa ao acontecimento como o despachar e triturar daqueles lixos organicos.A porteira- a Sra. Zulmira- tambem aparecia e tinha os seus franguitos e coelhos no pátio traseiro.  Depois haviam coisas que chamavam a atencão e que tinham que ver com a alimentação da Bua. Era lacto-vegetariana. Ía comprar, tambem em boiões de vidro, numa mercearia logo ali ao pé, os yoghurtes que nessa época ainda eram uma raridade. O leite era Vigor… Em plástico é que não vinha nada!

 Logo ao virar da esquina estava o meu primeiro barbeiro. O penteado era sempre o mesmo!À máquina de tosquear dos lado e atrás com a respectiva cócega insuportável e depois a poupinha à americana!