Mas a minha mãe foi a Évora!

raul

Muitas vezes ouvindo uma canção leva-me directamente para um sitio ou situação e lá fico a magicar com esse momento. Nao sei se acontece aos outros, mas a mim,sim!

É como aquelas associaçãoes Proustianas à vista, aos sons ou ao cheiro, descritas naquela sua obra prima “A la recherche du temps perdu”. Evidentemente que recuando 50 anos na vida essas memórias pertencem ao tempo perdido e que já não volta mais. Pretende-se então reviver ou ao menos recordar os sentimentos que então vivemos e que muitas vezes na carga nostálgica ficam mais importantes do que certamente o eram quando vividos! Como bradava o Toni de Matos “Ó tempo volta pra trás” ou mais recentemente o José Torres quando treinador da seleção nacional de futebol em 1986 no seu “deixem-me sonhar” só serve para dar enfâse ao espirito portugues da nostalgia, da saudade e muitas vezes do que não se pode obter!

Já aqui me referi ao “She Loves you”, dos Beatles, que associo à Praceta do Junqueiro em Carcavelos e à casa do americano Steve.tambêm à Praceta estão ligados os exitos de Roberto Carlos. “O calhambeque” e “ O leão está solto na rua”, para o qual se faziam textos alternativos.  Dois exemplos de muitos que poderia enumerar. Mas hoje estou-me a lembrar, não duma canção, mas sim de dois monólogos do nosso já desaparecido Raúl Solnado!

Quem pertence à minha geração não pode deixar de se recordar o grande sucesso que foi o disco do Solnado em que ele  fazia rir quem escutasse. Os monólogos que datam de 1962 caracterizam-se principalmente por “A guerra de 1908” e a “História da minha vida”. Mais tarde gravou  tambem os monólogos ao telefone que ficaram célebres!

O estilo era de de um humor absolutamente absurdo e pelos vistos não era só eu que achava piada, mas provávelmente só eu, associo esses monólogos, à piscina da Praia da maçãs! Além disso com apenas 10 anos deviam-me passar uma coisas ao lado. Dizia por  exemplo Solnado que quando ele nasceu o pai que trabalhava em Évora, já não vinha a casa há dois anos. Risadas prolongadas que acabaram com o remate que dá o o titulo a este texto.  Onde estavas quando ouviste o Solnado?

Caprichos da moda

PORFIR~2

Quem tivesse, como eu, crescido na década de sessenta em Portugal, teria que fazer um grande esforço para acompanhar a revolução da moda desses anos. É que com os Beatles houve grandes convulsões que tinham como objectivo mostrar a irreverencia de quem era jovem. Esta revolta juvenil, viria a culminar nos acontecimentos de Paris em maio de 1968.

Eu, por exemplo, passava horas a tentar seguir o que faziam os meus ídolos, de Liverpool. Não sei até que ponto é que os quatro guedelhudos eram vistos com bons olhos pela ”situação”. De qualquer forma muitos rapazes passaram por maus bocados por deixarem crescer o cabelo. Quem quisesse seguir a moda teria que depender de contrabando ou da única boutique em existência em Lisboa “ Os Por-fi-ri-os”.

Quando fui a Londres consegui o meu designio de adquirir os tais sapatos bicudos com elástico lateral. Muitos amigos de Carcavelos falavam dum sitio (Quinta dos Lombos?) onde se podiam adquirir jeans da marca Levi’s mas eu nunca lá cheguei a ir pois não teria dinheiro que chegasse para tais compras.

Uma imagem bastante marcante na Praceta foi o aparecimento casual de uns alemães com calças boca de sino. Aquilo sim, era elegancia! Até parecia que os rapazes vinham doutro planeta. E tinham perna comprida! Eu pelo menos andava desejoso de poder imitá-los!

Mas a minha grande vitória, recuando um pouco no tempo,  foi quando depois de meses de persuação consegui que a minha mãe cedesse a deixar-me andar de calças compridas em vez dos calções curtos! O resultado foi uma lágrimazinha de tristeza no olho da minha mãe e uma de alegria no meu!

 

Os americanos

she loves you

A malta da Praceta ficava sempre muito avolumada nas férias e aos fins de semana. Eu por exemplo comecei  a frequentar a Praceta ainda antes de me mudar para lá. Algumas das memórias que tenho e que gosto de partilhar são tambem desse tempo.

A ponte sobre o Tejo terá sido começada a construir em 1962 e a empresa que tinha vencido o concurso fôra  a United States Steel  International. Era portanto natural que tivessem vindo viver para Carcavelos familias americanas.

Vinham e traziam a sua cultura, que no que diz respeito ao desporto, é bem diferente da portuguesa. À s vezes era uma festa que de repente se formava quando saíam à rua familias inteiras munidas de bats, luvas e bolas para jogar ao Baseball. Recebemos assim, os miúdos da Praceta, algo American e que se permitia comparar ao nosso futebol.

Lembro-me de duas irmãs e Conny e a Terry que andavam sempre de shorts e lembro-me do Steve? que foi quem me mudou a vida musical ao falar-me dum grupo que se chamava Beatles. Até entao estávamos mais interessados em aprender asneiras americanas e a ensinar as nossas.  Como reação á minha completa ignorancia e algum desinteresse em musica o rapaz convidou-me a subir ao apartmento dele, uns andares em cima do Café do Atlantico e pôs o “She loves me” a tocar. Pronto, fiquei rendido e ainda hoje o estou!

She loves you, yeah, yeah, yeah
She loves you, yeah, yeah, yeah
She loves you, yeah, yeah, yeah, yeah

You think you lost your love,
When I saw her yesterday.
It’s you she’s thinking of
And she told me what to say.
She says she loves you
And you know that can’t be bad.
Yes, she loves you
And you know you should be glad. ooh!