Memorias do Portugal-Uruguai

Foi a 26 de junho de 1966. A seleção nacional fazia o jogo de despedida antes de viajar para Inglaterra para participar no nosso primeiro mundial. O meu pai arranjou bilhetes e o Estádio Nacional estava cheio. Seria a primeira vez que ao vivo veria a seleção. Tinha 14 anos. Também pela primeira e única vez estava a minha avó Rogéria. Tinha 80 anos. A minha avó lia muito e seguia com interesse o fenómeno Eusébio.

O adversário para este encontro era uma seleção com pergaminhos mas que Portugal nunca tinha defrontado, o Uruguai.

O Torres marcou três golos e o resultado final foi mesmo 3-0. A minha avó achou mal que tivessem convidado cá os Uruguaios para sofrer derrota tão pesada e se não seria simpático deixá-los marcar um golo.

Mais logo é mesmo a sério. Cristiano Ronaldo e equipa terão que encontrar maneira de desfeitear o Uruguai 52 anos depois. Não vai ser fácil.

O que sabemos da Bua

Foto atual da Calçada dos Barbadinhos com o rio Tejo ao fundo.

A minha avó portuguesa era a Rogéria, todos a tratavam por Bua incluindo os tres netos. Nunca soubemos porque era Bua. Como avó foi sempre, para mim a pessoa mais presente do mundo adulto, enquando crescia. Aqui seguem alguns apontamentos daquilo que sei até agora dos primeiros anos de vida da Bua.

No dia 6 de Agosto de 1910 saíu da sua casa da Calçada dos Barbadinhos 42, com seu irmão mais velho o Victor, e sua mãe Amélia Adelaide residentes nessa mesma morada. Victor era solteiro e funcionário público.Seria ele tambem o padrinho de casamento em conjunto com o Alfredo d’Oliveira Pires que seria colega do nubente. Foi testemunha tambem sua mulher D. Maria Justina Dias Pires. Ía-se casar na igreja de Sta Engrácia não muito longe dali com o meu avô João Henriques Pinheiro de 29 anos advogado e residente na Baixa.

O ano de 1910 concidiu com o falecimento uns meses antes do rei Eduardo VII do reino Unido. Rei esse que deu o nome ao parque de Lisboa bem perto duma residencia posterior da Bua. Eram os meses derradeiros da monarquia em Portugal destinada a ser substituido pela Republica já em outubro. Para o meu avo, convicto republicano eram factos importantes.Como consequencia da implantação da Republica decidiu-se que a igreja de Sta Engracia receberia obras e se transformaria no Panteão Nacional. Essas obras só se completariam em 1966.

Tinha a Bua 23 anos no dia do seu casamento. Nascera em Espinho em 17 de outubro de 1886. O se pai era funcionário publico e parece que não parava muito no mesmo sitio. Tambem se diz que preferia ter filhos que filhas e que estas ficavam ao cuidado de outros parentes ou pessoas de confianca durante largos periodos. Especulamos por enquanto nestes dados, que não sendo ficionais, já que se baseiam em informações que nos foram passadas,não estão até ao momento confirmadas por documentos oficiais.

O que, no entanto,  são dados confirmados é que Rogéria nasce em Espinho como sempre afirmou, e é batizada quando já tem um ano de idade na igreja de S. Martinho d’Anta. A sua irmã Stela tambem é batizada nesse ano, duas semanas antes e na mesma igreja. Stela nascera em Castelo Branco em 18 junho de 1885. As duas meninas recebem padrinhos sendo que Stela tem o casal Ferrão proprietários de Niza  e a Bua os Alves Guimarães do Porto. Terão estes factos alguma importancia especial na vida  das duas irmãs?

As pesquisas continuam e em breve haverá mais informacão concerteza.

Igreja de S. Martinho d’Anta em Espinho onde são batizadas Rogéria e Stela em 1887.

The National Team (1)

BWembley

Sweden and Portugal are set to play a decisive play-off to participate in next year’s World Cup in Brazil. Whilst trying to decide whether or not I should go to the match in Stockholm on the 19th November, I am recalling the matches I have seen live, with Portugal’s national team. My team!

First match I saw was a friendly as part of the preparation for the England World Cup of 1966. Portugal played Uruguay at the national stadium on the 26th June. José Torres scored all the three goals and my grandmother who had never seen a football match but was very keen on Eusébio felt very sorry for the Uruguayans and said that they should be allowed to score a goal.

I had moved to London in 1968 and one year later Portugal played a friendly on the 10th December 1969. England won by 1-0 after a goal by Jackie Charlton, so Portugal did not at this time revenge being knocked out of the England World Cup three years earlier.

In 1984 Portugal were in the same qualifying group as Sweden for the World Championship of 1986 in Mexico. Thanks to a late goal by Fernando Gomes Portugal could come home with a precious 1-0 victory. That match was seen surrounded by Swedes that had little or no understanding when João Oliveira and I jumped up to celebrate the goal. Much could be said of this Stockholm encounter but it is a story that will have to stand on its own.

Fate had it that Portugal and Sweden would once again play each other, this time for the European Championships. My fourth match was also in Råsunda, Stockholm, and was played on the 23rd September 1987. Even in this match Portugal came out as a winner. An early goal by defender João Pinto ( his only one, in 70 caps) was enough but neither of the two countries would reach the final phase in Germany 1988.

Before the 2004 European Championship that was organized in Portugal the National Team only played friendlies. It was on the 10th September 2003 that I saw Portugal defeat Norway by 1-0. The goal scored by Pedro Pauleta at the Oslo Ullevaal arena. Through our mobile we heard that Swedish foreign minister Anna Lindh had been knifed in Stockholm some hours earlier. Unfortunately she would no longer be with us the next day.

 

Os Chinchilas no Ié-Ié

Os-Chinchilas14

Em 1966 deu-se a finalissima do concurso Ié- Ié. Foi em Lisboa no Cinema Monumental a 30 de abril, um sábado. Fui lá mas nem me recordo quem mais ía comigo.

Para nós que tinhamos descoberto os Beatles e os outros gigantes do Rock inglês e americano era assim um pouco provinciano mas havia um motivo especial para nós que viviamos na Praceta.Um dos grupos da final era de Carcavelos. Eram os Chinchilas.

Só sei que houveram várias confusões à volta deste certame pois diz-se que os Chinchilas atuaram com dois nomes diferentes nas eliminatórias sendo primeiro os Monstros para depois aparecerem como Chinchilas. Os Sheiks que eram os melhores não participaram na final pois tinham um gig em contato e não puderam faltar.

Tambem se diz que o público teria votado na vitória dos Rocks de Luanda que tinham o Eduardo Nascimento a vocalista, mas foram os Claves que ganharam.

Os Chinchilas, nossos conterraneos, eram constituidos por miúdos pouco mais velhos que eu e dos quais apenas me recordo do Mário Piçarra 19 anos que aparecia lá na Praceta de guitarra na mão. Os outros eram o Vitor Mamede 15 anos, o José Machado  16, o Filipe Mendes 17, e um Fernando cujo apelido não consta mas que tinha 19 anos na altura.

Os nossos Chinchilas não ganharam para nossa desilusão tendo ficado em 6º lugar.

1966-DP4 Como prémio receberam um microfone “Shure” uma pandeireta e cinco gravatas!