Quem nos formou?

Dionne

A vida na Praceta ou em qualquer outro lugar não é um mar de rosas para um adolescente!

Eu por exemplo andava às vezes bem infeliz, sempre vestido de preto, com chapéu e tudo, á espera de ser compreendido por alguem. Para quê viver? Nesse taciturno estado de espirito que ás vezes invade a alma do” teenager” há momentos que podem ser cruciais. Uma paixão incompreendida, sei lá…

No verão era tudo mais fácil. Aparecia outra malta. Organizavam-se festas. Será que alguem se lembra duns bailes organizados no terraço de um dos prédios, se não me engano do lado do mar? Era uma oportunidade de agarrar uma miúda e de a apertar um pouquinho ao som da Aretha ou da Dionne. Não sei quem organizava estes bailes mas tenho quase a certeza que haviam crescidos por trás que assim nos ajudavam a dar os primeiros passos para a vida romantica e adulta que se aproximava. Na Praceta nunca tive namorada…

Nessa época penso que havia mais convivio entre gerações. Estou-me a lembrar da acolhedora familia Henriques cuja casa visitei muitas vezes e da simpatia da sra. Paulina e do sr. Américo que me ensinou uns truques de cartas que muitas vezes usei na continuação da minha vida para impressionar novas gerações.Os filhos Henriques são a Paulucha, o João Paulo e a Carla!

Os adultos educavam os jovens e era aceite por todos. Éramos filhos de todos e mesmo quando doía acabava por ter um significado de se aprender quando se fazia algo mal. Uma vez levei uma estalada da mãe do João Raminhos porque tinha estado a gozar( já não sei com quem mais) com uma rapariga que estava atrás do balcão do café Atlantico e que nós concerteza por falta de tacto e piedade tinhamos feito infeliz!  Nunca mais gozei com ela!

2 thoughts on “Quem nos formou?

  1. Malandreco! Armado em sonso, hum? 😉
    Certamente que os mais velhos se lembrarão dessas festas. Eu, por acaso, não me lembro de nenhuma no terraço dos prédios, mas já houve quem falasse nelas no grupo da Praceta, no Facebook… vai lá ver e até estão por lá umas fotos tiradas precisamente desses terraços. Bjs e continua com os teus escritos que me têm agradado imenso.

  2. Também eu me lembro de festas nos terraços da praceta, mas não dessas, outras que se fizeram mais tarde, com churrascos e sardinhadas! Saudades das festas e das pessoas, especialmente daquelas que já partiram e nos eram tão queridas.

    Também eu já fui tão feliz em casa da Família Sousa Henriques! Jogos de cartas, lanches, jantares, filmes …. ainda hoje o bolo de bolacha que faço e que todos adoram cá em casa, é o da receita que me deu a Sra. D. Paulina 🙂

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.